Associação Profissional e Sindicato dos Contabilistas de Franca e Região
Área Restrita

Contribuição Sindical

Enquete

Obrigações do Dia

  • 25/Julho/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • COFINS
  • PIS/Pasep
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados

Indicadores Econômicos

Moedas - 20/07/2018 16:02:33
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,771
  • 3,772
  • Paralelo
  • 3,770
  • 3,950
  • Turismo
  • 3,750
  • 3,980
  • Euro
  • 4,421
  • 4,424
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,787
  • 3,787
  • Libra
  • 4,952
  • 4,955
  • Ouro
  • 151,000
  •  
Mensal - 16/05/2018
  • Índices
  • Mar
  • Abr
  • Inpc/Ibge
  • 0,07
  • 0,21
  • Ipc/Fipe
  • -
  • -0,03
  • Ipc/Fgv
  • 0,17
  • 0,34
  • Igp-m/Fgv
  • 0,64
  • 0,57
  • Igp-di/Fgv
  • 0,56
  • 0,93
  • Selic
  • 0,53
  • 0,52
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,58
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

Parceiros


CONTRIBUIÇÃO SINDICAL


O pagamento da Guia de Recolhimento da Contribuição Sindical Urbana (GRCSU) é de caráter obrigatório, devido à natureza tributária parafiscal da contribuição sindical, respaldada no art. 149, da CF/88, e, portanto, exigível de todos os integrantes da categoria, independentemente de sua filiação à entidade sindical, conforme entendimento consolidado do Supremo Tribunal Federal, a qual destacamos a decisão proferida pelo Ministro Celso de Mello na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 126.
A Lei Ordinária nº 13.467/2017, chamada de Reforma Trabalhista, apenas passou a exigir das entidades sindicais formalidades para o recolhimento e desconto da contribuição sindical, não extinguindo o tributo sindical, nem a tornando facultativa.
Qualquer alteração nesse instituto deveria ser feito por meio de Lei Complementar e não por mera Lei Ordinária, que não tem o condão de alterar matéria relativa a legislação tributária, razão pela qual o não pagamento da contribuição sindical acarreta nas infrações previstas na lei, além da suspensão do exercício profissional, conforme dispõe o art. 599 da CLT.
A formalidade exigida pela Reforma Trabalhista é suprida pela assembleia geral da categoria, e portanto, a cobrança da contribuição sindical de nossa categoria é plenamente legal.
Há de se destacar no sentido da continuidade da obrigatoriedade do pagamento da Contribuição Sindical, o recurso extraordinário de nº 573.232 do Supremo Tribunal Federal, o enunciado de nº 38 da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho e também várias ações direta de inconstitucionalidades no STF sobre o tema e acórdãos de tribunais regionais, como o do estado do Rio Grande do Sul, processo nº 0020092-40.2018.5.04.0010 (ROPS) que mantém a cobrança da referida Contribuição Sindical.
Com esse entendimento encaminhamos a todos os contabilistas de nossa base territorial a cobrança da referida Contribuição Sindical, como feito no ano anterior, entendendo que sua inadimplência poderá ensejar infração, suspensão de atividade profissional e possível cobrança retroativa, lembrando ainda que os recursos da Contribuição Sindical são aplicados inteiramente em benefício da categoria.
Respeitosamente,

Donício Cruz Antunes
Presidente do SINCOFRAN – Sindicato dos Contabilistas de Franca e Região

Site desenvolvido pela TBrWeb  (XHTML / CSS)
SINCOFRAN | APROCOF
Rua Conceição Caceres Munhoz Nº 1719 - Vila Industrial - Franca/SP - 14403-386 | Telefax: (16) 3721-6817 / 3720-5477